Menu

Rádio

MirandenseBrasil






Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.


    Caixa analisa 1,3 milhão de contas do auxílio sob suspeita de fraude.

    22 JUL 2020
    22 de Julho de 2020
    O Ministério da Cidadania enviou à Caixa 1.303.127 números de CPFs (Cadastro de Pessoas Físicas) para bloqueio da conta de auxílio emergencial e realização de uma verificação detalhada. Esse trabalho é consequência dos acordos firmados entre o ministério, a CGU, o TCU e o MPF para controle dos pagamentos do benefício.

    Leia também: PF monta força-tarefa para apurar fraudes em auxílio emergencial

    "Não é possível ainda afirmar que esses CPFs sejam considerados cancelados ou inelegíveis para receber o benefício. Qualquer indício de ilegalidade, em especial na ótica criminal, é imediatamente informado à Polícia Federal e os pagamentos são suspensos", afirmou o ministério em nota.


    Uma nova estratégia de combate a fraudes no auxílio emergencial foi adotada pelo ministério, em parceria com o MPF (Ministério Público Federal (MPF), a Polícia Federal e a Caixa Econômica Federal. O foco principal será na atuação de grupos criminosos. Renda, patrimônio pessoal e participação em empresas, além de indicadores de irregularidades sistêmicas, serão considerados na análise.

    "A parceria vai possibilitar maior controle a partir do cruzamento de informações para encontrarmos e punirmos esses criminosos”, disse o ministro Onyx Lorenzoni.

    Investigação 

    As comunicações de irregularidades são enviadas à Caixa, que verifica se houve fraude no pagamento. São os casos em que o auxílio foi entregue a uma pessoa diferente da que possui o direito de receber o benefício. Isso pode ocorrer por clonagem de cartão e acesso indevido a sistemas e contas, entre outras hipóteses.

    Nos casos em que o banco confirmar a irregularidade, os dados serão enviados à Polícia Federal para que integrem a BNFAE (Base Nacional de Fraudes no Auxílio Emergencial). A ferramenta será utilizada pela PF para identificar a atuação de grupos criminosos.

    Quando a Caixa não identificar esse tipo de fraude no pagamento, os dados serão enviados ao Ministério da Cidadania para a verificação de fraudes na concessão. São os casos decorrentes de pedido e recebimento por pessoas sem direito ao auxílio.

    Outros órgãos, como o TCU (Tribunal de Contas da União) e a CGU (Controladoria-Geral da União), também encaminharão ao ministério os dados obtidos diretamente por eles.

    Quando não houver indícios de atuação organizada e sistêmica de um grupo, os casos serão encaminhados às unidades da Polícia Federal para investigação pontual. Quando servidores civis e militares estiverem envolvidos, os respectivos órgãos serão acionados para apuração disciplinar.

    Se comprovada a participação do investigado na fraude, o caso é enviado ao MPF. Se a sindicância demonstrar que houve irregularidade sem envolvimento do servidor, as informações seguem o caminho para alimentar o BNFAE.

    A PF e o MPF terão acesso às ferramentas de triagem e de aplicação de filtros pela Caixa e pelo Ministério da Cidadania para adoção de medidas no âmbito penal, podendo sugerir novos critérios e cruzamentos de dados. Além disso, o MPF receberá informações da BNFAE e possíveis fraudes sistêmicas, para controle gerencial de casos e adoção das medidas penais cabíveis.

    Denúncias

    O canal para registro de denúncias de fraudes é o sistema Fala.Br (Plataforma integrada de Ouvidoria e Acesso à Informação da CGU) ou pelos telefones 121 ou 0800 – 707 – 2003.

    Devolução

    O governo federal recuperou até o momento R$ 83,6 milhões pagos a pessoas que não se enquadravam nos critérios para recebimento. Por meio do site devolucaoauxilioemergencial.cidadania.gov.br, 91.024 pessoas emitiram Guias de Recolhimento da União (GRU) para devolver os pagamentos indevidos.

    Fonte: R7.com
    Edição: Alex Araújo
    Rádio Mirandense Brasil.
    Voltar

    © 1997-2014  RADIOMIRANDENSEBRASIL.COM

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.

    Clique aqui para editar.